Sobre o medo, como lidar?

banner pequeno medo
Você tem medo de quê? Eu tenho medo de muitas coisas, pra falar a verdade. Medo de não ser ouvido, medo de as palavras me deixarem, medo de arriscar – e de não ter a coragem de dar aquele passo crucial para alguma coisa, inclusive.

Entretanto, sei que preciso muito aprender a lidar com tudo isso, ou meus caminhos nunca rumarão na direção esperada. Por isso, apesar de tudo, insisto em falar, em escrever, arriscar novas formas para tentar manter você lendo isso até o fim, por exemplo; e fico apostando que conseguirei me fazer feliz com isso, seguindo apesar dos receios. O que proponho neste post é que lidemos com isso, ainda mais quando o assunto é vida profissional – e para isto, você pode se valer de muitas técnicas.

 

Levando em consideração os riscos (grosso modo, a combinação entre probabilidade de ocorrência de certo evento que independa da sua vontade e o impacto resultante que este ocasionará caso ocorra), reflita: “o que de pior poderá me acontecer nesta ou naquela situação?”.

Caso o “limão valha o suco”, por que não tentar? Se você vai abrir seu próprio negócio, os riscos de suas investidas não darem certo são altos. No entanto, não pense que coisas grandiosas não levam consigo perigos enormes e incertezas muito aparentes, pois é exatamente deste modo que se comporta tudo aquilo que pode trazer os maiores e mais notáveis proveitos.  Em medidas práticas, diminua os impactos negativos caso eles venham – se você acabar precisando se molhar num alagamento, ao menos levante a barra da calça – e siga em frente, mas sem desconsiderar novas estratégias, planos B e C e sensatez quando for hora de recuar – já que, muitas vezes, para saltar seu obstáculo é necessário se distanciar momentaneamente, mas sem perdê-lo de vista.

Em suma, não se amedronte focando unicamente a altura em que está posta a contrariedade para ser superada, ou mesmo o esforço e quantidade de treino que precisará dispender para fazer acontecer; tenha em mente o benefício de toda dedicação – a fonte de coragem. Nessa hora, o pensamento positivo é essencial. Pense no que é bom antes de qualquer coisa, só depois nos custos e, se tais benefícios forem maiores, pronto. Faça. Mexa-se. Não acomode.

 

 – E se habitue, pois na verdade é muito mais fácil falar tudo isso do que fazer, efetivamente. Mas é tudo questão de treinar e condicionar ímpetos.

 

O medo também nos indica o que vale a pena. Se você tem medo de perder sua namorada, sua habilidade em tocar o trompete, seu próprio negócio; é sinal de que estas coisas têm valor para você, seja ele mensurável ou não. A coragem, leitor, é agir com prudência apesar dos temores, considerar pular do barco ou ajustar as velas; é você chegar à beira da fronteira e conseguir dar o passo que pode mudar sua vida, seu profissional, suas relações para sempre – e acredite, o grande problema em dar esta passada não é o tamanho dela, mas sim a quantidade de eventos e certezas que ficarão em terra firme. A coragem serve para te impulsionar a continuar se movendo num terreno inconstante.  Lembre-se sempre que, se há lugares que poucos conseguem chegar, é assim por algum motivo.

Use a técnica do “Olha o quanto nadei. Já cheguei até aqui, não morrerei na praia” e dê o passo que está faltando. Funciona mais ou menos como aquele momento de falar em público. Não há porque ter medo em se oferecer para apresentar o trabalho. Não dá medo preparar sua apresentação. Dá medo de pegar o microfone e começar a falar. Porém, já que você fez tudo aquilo antes, vai desistir no fim? Dê o passo em direção ao púlpito e comece. E isso serve desde aquela primeira interação com o pretendente, até o momento de abrir sua startup, por exemplo.

 

 – Não tenho medo de abrir o editor de texto. Não me dá medo em colocar o ponto final do parágrafo e dá-lo por encerrado. Me dá medo de postar e não estar suficientemente bom. Todavia, já escrevi tudo até aqui e, se você está lendo, é porque resolvi dar meu passo e clicar em “Publicar”. 

 

Você já deu seu passo de hoje? Tem outros métodos de lidar com os medos cotidianos? Conte-nos logo abaixo; nós da Zocprint desejamos muito te ajudar no que pudermos!

Avalie

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *